Conheça o passado da raça Kuvasz que une honra e história

Casa Diversos

O Kuvasz é um cachorro de porte grande, com pelagem branca e que foi criado para ser um cão de guarda. Naturalmente, é um defensor dos donos e da casa, pois, além de protetor, é muito gentil e leal. Seu temperamento é confiável, encaixando-o na categoria de animais recomendados para quem tem crianças em casa. 

Os machos podem chegar a pesar até 52 kg, enquanto as fêmeas ficam, em média, com 40 kg. São cães que não precisam de tanta atenção, considerados independentes, porém, devem praticar atividades físicas diariamente.

Apesar de leais aos donos e à família — que pode incluir outros animais —, podem ser desconfiados e até agressivos com estranhos, caso não sejam adestrados.

Origem da raça Kuvasz

A raça surgiu oficialmente na Hungria e está ligada aos cães gigantes do Tibet. Acredita-se que o animal chegou à Hungria por meio da Turquia, tanto que o nome Kuvasz não é húngaro. O mais provável é que se trate de uma leve mudança na palavra turca “kawasz”, que significa “guarda armado da nobreza”.

Apesar de os relatos oficiais serem sobre um cão húngaro, existem outras teorias para seu surgimento. Outra explicação para o nome desse cão é que tenha origem na Suméria, se tratando da junção de algumas palavras ligadas aos termos “cachorro” e “cavalo”, já que o Kuvasz acompanhava os cavaleiros e, também, era usado para proteger os cavalos. 

Cães nobres

Hoje, qualquer pessoa pode ter um pet dessa raça em casa, no entanto, nem sempre foi assim. No século 15, data em que se estima que o Kuvasz surgiu, apenas a nobreza ou os reis tinham autorização para ter um cão da raça. Seu cruzamento era feito cuidadosamente, para garantir uma linhagem pura e de qualidade.

Principalmente porque, naquela época, a função do Kuvasz não era ser apenas um cão de companhia, mas sim um cão de guarda ou de caça, que precisava se misturar facilmente aos rebanhos de ovelhas — o que sua pelagem de cor branca facilitava. Protegiam a propriedade das famílias nobres, ou dos reis, não apenas contra possíveis saqueadores, mas também contra animais grandes e perigosos como lobos e ursos.

Quando a raça se torna popular

Foi no século 19 que o Kuvasz se tornou popular e qualquer pessoa poderia ter um desses cães. Tanto que virou uma das raças húngaras preferidas, encontrada em vários canis. 

Com a chegada da Segunda Guerra Mundial, esse cão chegou quase a ser extinto, já que, por ser considerado de guarda, foi utilizado pelos militares nos combates. Mesmo quem tinha o Kuvasz apenas como um cachorro de companhia, foi obrigado a entregar seu pet para as forças armadas. 

Muitos cães de guarda foram mortos durante a guerra, pelos alemães ou pelos russos, não apenas os que foram levados para a guerra, mas também os que permaneceram em suas casas defendendo sua família. Os poucos animais que ainda existiam na Hungria acabavam falecendo também por falta de alimento ou remédios. 

Ainda assim, alguns cães sobreviveram e passaram a ser considerados, pelos russos, como um cão de luxo. A situação era tão crítica, que, antes da guerra terminar, era comum que as pessoas trocassem o Kuvasz por alimentos ou qualquer outro produto básico de sobrevivência. Esse cachorro havia se tornado uma mercadoria de troca.

Quando a economia se estabilizou, a raça voltou a ser criada nos canis húngaros. Atualmente, ainda é considerada rara, porém, já é possível encontrar criadores em outros países além da Hungria. Até mesmo no Brasil, com a chegada da raça no final da década de 1980, há canis que preservam os Kuvasz, distribuindo a diferentes famílias esses tão amáveis bichinhos.